Você sabia que o bem estar e a qualidade de vida dos cães e gatos dependem da saúde dental deles?

Exatamente como acontece com os seres humanos, cuidar dos dentes significa estar livre de bactérias, doenças da gengiva e o tão conhecido tártaro, presente especialmente nos animais mais velhos, que passam a ter aquele “bafinho” característico.
As placas bacteriana da boca podem acabar atingindo a corrente sanguínea, prejudicando órgãos importantes, como coração, rins e fígado. Agora, imaginem isso para um cão ou gato já velhinho? Pode ser ainda mais perigoso. Os veterinários recomendam que a escovação dos dentes dos animais seja diária, usando escova de dentes e pasta especialmente fabricadas para o uso em pets. Jamais utilize pasta de dentes para humanos, esse produto contém substâncias, como o flúor que podem ser muito prejudiciais aos pets.
Como fazer com que o cão ou gato aceite tranquilamente uma escova de dentes sendo mexida de um lado para o outro dentro da boca dele? Antes de começar o processo todo, a dica é primeiro apresentar a escova, permitir que ele cheire, brinque com ela e até a morda. Vale associar esse momento com recompensas que o animal goste bastante. Depois disso, comece a colocar a escova na boca dele, sem movimentar muito nas primeiras vezes.
Quando o pet já estiver bem habituado a escova, é hora de mudar de estágio, coloque a pasta (há ótimas pastas de dente para animais de estimação disponíveis no mercado, cujo sabor costuma atrair os cães e gatos). Esse momento da higiene deve ser uma brincadeira divertida. O processo de escovação dos dentes dos animais costuma ser mais aceito se o costume for criado desde filhote.
Roer pode também ajudar a prevenir a formação da placa bacteriana e do tártaro (lembrando que os veterinários afirmam que a escovação não pode ser substituída por ossos). Mas, fica aqui um alerta também: ossos ou brinquedos muito duros podem levar a fraturas de dentes, um problema também muito grave e que necessita de tratamento.

Responda